terça-feira, 11 de junho de 2013

Meia Maratona de Floripa

Avenida Beira Mar em Floripa

Dia 09 de Junho de 2013: o dia em que corri minha primeira meia maratona. O que eu tenho a dizer sobre isso? É emocionante! É viciante! É superar limites! É bom demais!

A corrida passou por aqui


Correr com um visual desses é inspirador

Eu estava ansiosa com este desafio. Como havia decidido em cima da hora correr a meia, não tinha muita certeza do que esperar. Não tinha treinado do jeito que gostaria e estava insegura. Foi maravilhoso saber que posso!

Por do sol na linda Floripa: dia anterior à prova


Chegada e largada da meia maratona na avenida beira mar


Uma massa gostosa no jantar antes da prova

No sábado, dia anterior à corrida, só programinhas leves e uma massa no jantar para abastacer o corpo de energia. Fomos no centro da cidade ver o mercado municipal, almoçamos na Lagoa da Conceição, passamos pela famosa praia da Joaquina e pelo mirante. Caminhamos pela avenida Beira Mar apreciando o por do sol e o vai e vem de pessoas. Descansamos um pouco no hotel e saimos em busca de nossa massa. Esta busca demorou um pouco porque não conhecíamos a cidade e por causa disso fomos dormir mais tarde do que gostaria. Fica a lição para a próxima meia fora da cidade: jantar no hotel na véspera da prova.

Na preparação para a corrida: meus geis favoritos. Com tantos treinos fora, estou pegando a manha do que funciona para mim, em termos de alimentação.


Prontinha: muita ansiedade, já com chip e tudo. Não é descartável, mas eles já entregaram junto com o kit.

Foi uma boa decisão escolher Floripa para correr minha primeira meia maratona porque alguns detalhes desta prova me ajudaram a cruzar a linha de chegada, como a temperatura amena. 

O dia amanheceu em torno dos 16 graus: uma delícia e durante a prova chegou somente até os 21 graus. Foi uma prova com temperatura agradável e uma brisa fresca durante quase o tempo todo.

As ruas são largas e não ficou todo mundo embolado. Tivemos espaço para correr tranquilos. O visual é bonito e o percurso é quase todo plano. A hidratação é ótima, dos dois lados e abundante. Teve um ponto de gatorade. Tentei tomar, mas com o copo com a boca larga, engasguei, me melequei toda e desisti.

A pista em Floripa é inclinada. Em muitos momentos sentia que corria desnivelada e isso é muito ruim. Outro ponto negativo do percurso é o interminável e abafado tunel.

No quilômetro 12 passamos pelo pórtico de chegada e vamos até o 16,5 para o retorno. Confesso que deu vontade de parar por ali. 

Me sinto uma vitoriosa.

Senti dor na panturrilha esquerda. Tive que administrar os calos que se formaram no pé direito. Senti dores na lombar e a fatiga começou a mostrar sinais no quilômetro 16. Mas eu não queria, eu não ia parar. Eu queria muito cruzar aquela linha de chegada. Eu queria muito vencer todos estes limites. Eu queria muito me sentir uma vencedora. E consegui! E esta sensação, esta emoção não tem preço. Esta medalha tem muito valor para mim, porque me sinto mais forte: física e psicologicamente. 

Eu adorei correr uma meia maratona. Não é fácil, não é confortável o tempo todo, mas a sensação de poder é enorme. Mal terminei esta e já estou pensando na próxima, ou próximas.

Quando terminei a meia estava faminta!

Deliciosas ostras


Congrio com molho defrutos do mar.

E depois de correr por tanto tempo, pude apreciar com muito mais vontade e prazer as delícias de Florianópolis.