quinta-feira, 18 de abril de 2013

Iorana, Hanga Roa, Bom Dia Brasil

A natureza em fúria, em seu estado quase bruto e em diversas nuances. Bem vindo à Ilha de Páscoa. Foi com isso que me deparei em meu primeiro treino fora do Brasil. 

Esperando o dia amanhecer

Vento furioso e chuva forte
O dia aqui amanhece tarde, por volta de 08:30 (10:30 hora do Brasil). Acordamos cedo e esperamos que o sol aparecesse. O vento vinha com força. Parecia que ia sair levando tudo o que encontrasse pela frente. O barulho que fazia era intenso, um ronco violento. Dava medo.

Avaliando as condições do tempo

Era hora de ir. Vamos enfrentar a natureza, nos misturar com ela, deixar que elas no leve, sentir. Apenas isso: sentir toda sua força, brutalidade, beleza.

Pré-treino. A gente se vira como pode.

Ainda bem que dava para fazer um cafezinho no quarto.
Foi uma corrida difícil, mas o melhor treino que já fiz na vida. Correr por terrenos irregulares, com chuva de pingos grossos, um vento tão absurdo que era quase impossível o deslocamento. Em alguns momentos era quase uma caminhada. Ladeiras, pedras, barro, vegetação rasteira. No entanto o visual desta ilha é absolutamente impressionante. O cheiro das plantas que muda a cada passada. Os isleños cumprimentando, os moais imponentes te olhando, te vigiando, te ignorando. 

Sentir ar puro de verdade entrando nos pulmões.. Olhar os vulcões imensos, adormecidos. Chegar no alto de penhasco e ver o mar bater com força nas pedras. Foi sensacional. Corri 12km e não queria parar. Queria ver mais. Queria continuar a fazer parte desta natureza primitiva, assustadora. Queria continuar a me sentir pequena diante deste poder. 

Hanga Piko

A força da natureza
Correr com esta natureza em estado bruto foi uma experiência grandiosa. Valeu cada minuto. Qual foi o pace médio? Quem se importa, diante de tanta beleza?

O estado do tênos depois da corrida

Café da manhã merecido depois de 12Km